terça-feira, 25 de novembro de 2014

FERDINAND - filho de Albertine e Johann Gerber

Como já vimos aqui, Albertine Bunde e Johann Gerber tiveram 9 fihos. O primeiro foi FERDINAND (ou Fernando) GERBER.

Fernando Gerber como era conhecido, nasceu Ferdinand Gerber em homenagem ao tio Ferdinand August Gerber, seu padrinho. Nasceu em Curitiba, dia 9 de fevereiro de 1876 e foi batizado na Igreja Luterana de Curitiba dia 15 de fevereiro do mesmo ano. Além do tio, foram seus padrinhos: Auguste Mallmstrom, Ferdinand Gerber (tio, irmão caçula de seu pai), Julius Bunde e Minna (provavelmente Wilhelmine) Bunde.



Livro de Batismos, acervo da Igreja Luterana de Curitiba.

Na foto abaixo, Ferdinand com a mão no casaco, os pais, a irmã Helena (minha bisavó) e o bebê Carl Gerber, provavelmente em 1881.



 

Não possuo a foto, apenas essa cópia tipo xerox. Se por acaso você tiver o original, poderia escanear e me enviar ? aljcastelhano@gmail.com. Muito obrigada !!!

Em janeiro de 1896, com 20 anos de idade, começou a trabalhar na farmácia de José Ricardo Pereira Pitta, a farmácia Pereira Pitta, localizada na atual rua XV (anteriormente rua Imperatriz n° 75). Provavelmente anteriormente trabalhou ajudando o pai na ferraria.


Jornal A República de 14 de janeiro de 1896

A rua da Imperatriz na época em que Ferdinand começou a trabalhar na farmácia Pereira Pitta, daqui.


Em meados de 1903 Fernando pediu licença para prático de farmácia.


Jornal A República, Curitiba dia 24 de julho de 1903, ed. 164, pg.1

Dois anos depois, em 05 de julho de 1905, casou em São José dos Pinhais-PR com Josephina Muggiatte, veja aqui.






Igreja Matriz de São José dos Pinhais, de madeira, em 1908. Foto disponibilizada no grupo FB "Antigamente em Curitiba".

Em setembro de 1907, nasceu seu primeiro filho, Arolde. Em 1914 nasceu a filha Maria Albertina, cartório do Portão, veja aqui, falecida precocemente.

A familia se instalou no bairro do Portão. Para saber mais clique aqui

Farmácia - Museu de Artes e Ofícios - BH

Fernando faleceu dia 18 de maio de 1924, aos 48 anos de idade,  vítima de angina pectoris, tendo sido sepultado no Cemitério Municipal do bairro São Francisco em Curitiba.

A história dos Gerber que pesquisei, começa aqui e continua nas postagens seguintes.

Para ver mais fotos da família Gerber, clique aqui. Aceito contribuição !! :)






terça-feira, 18 de novembro de 2014

A IGREJA LUTERANA EM CURITIBA

As famílias Gerber e Bunde, frequentaram a Igreja Luterana de Curitiba, desde que chegaram à capital. Provavelmente entre o final da década de 1860 e início da década de 1870.

A primeira família alemã em Curitiba data do ínício da década de 1830, mas a grande maioria chegou à cidade em meados do século XIX, 1850 ou mais, vindos da Colônia Dona Francisca (Joinville). 

Em 1857 foi fundado o Cemitério Luterano de Curitiba, na travessa Luthero 123, bairro Alto da Glória, ele é anterior à Igreja. Ali foram sepultados João Gerber (1905) e Albertina Bunde (1920).

Sobre a criação do Cemitério Luterano, leia aqui.

A comunidade alemã em Curitiba começou a ser assistida por um pastor em 1866, ainda sem uma igreja. 

Em 1876 construiu-se a primeira igreja propriamente dita, um prédio de madeira, com arquitetura germânica.





A última gravura é a cópia de uma obra do pintor Hugo Calgan.

Não muito resistente às intempéries, logo se fez necessário um novo prédio, que foi inaugurado em 1897.




Abaixo, como se encontra atualmente o prédio da Igreja Luterana de Curitiba, Paróquia Cristo Redentor - Comunidade Evangélica do Redentor, localizado na rua Trajano Reis 199, no centro da cidade. 



Aí se encontra o acervo dos assentamentos de batismo, confirmação, casamento e óbitos dos luteranos de Curitiba desde o séc. XIX, inlcusive dos Gerber e dos Bunde. Essas famílias devem ter frequentado as duas casas, talvez até a mesmo a casa do pastor, antes da construção da primeira igreja !

Fontes:

Niemeyer, Ernesto - Os allemães no Paraná, esboço histórico

para o texto e imagens, IECLB História e Curitiba-Paraná.


terça-feira, 11 de novembro de 2014

JOÃO GERBER - parte 2



Albertine Bunde e Johann Gerber, casados em 1875, tiveram  9  filhos:

Ferdinand, ou Fernando Gerber, (*1876) o primogênito, casado com Josephina Mugiatte
Helene Alwine Gerber, (*1878) minha bisavó, casada com Antônio Robert
Carl, ou Carlos Gerber, (*1880) o terceiro filho, casado com Ágatha Wippel
Adelhaide Margarete Wilhelmine Henriette Gerber, (*1882) casada com Alfredo Zaze
Friedrich Gerber, (*1883) casado com Maria Hachem e em segundas núpcias com Rosa Werneck Wacheleski
Luise Anna Gerber, (*1887) casada com José Dombrowski
Louis Wilhelm Johann Gerber (*1889)
Anna Emilie Gerber, (*1890) casada com Pedro Ceschin
Wilhelm Wenzel Gerber, (*1892) casado com Elizabeth Casagrande

Não consegui encontrar nenhuma referência ao local de residência da família Gerber em Curitiba. O filho caçula Wilhelm Wenzel, nascido em 1892, foi registrado no 1º Cartório de Curitiba, na região central da cidade. Os casamentso das filhas Helene (1900), Adelaide (1907) e Luise Anna (1907)  foram assentados no Cartório do Bacacheri e geralmente eles são realizados no cartório da região de residência da noiva. O óbito de Johann, em 1905, também foi assentado no Cartório do Bacacheri. Por este motivo, penso que a família Gerber residia na região do bairro do Bacacheri.

Encontrei um pedido do casal à Camara Municipal de Curitiba, pedido esse foi foi indeferido na sessão de 29 de abril de 1885 e  publicado no jornal  Dezenove de Dezembro de 05 de maio de 1885, veja aqui. Acredito tratar-se de um pedido de terreno em alguma colônia, talvez Colônia Argelina no bairro Bacacheri, já que tornar-se colono era mais interessante para os estrangeiros. A confirmar.


Johann Friedrich faleceu dia 30 de agosto de 1905, aos 56 anos de idade, vítima de uma hepatite crônica, veja aqui.

Albertine faleceu dia  16 de novembro de 1920, com 67 anos de idade, vítima de nefrite crônica. Faleceu na rua Cabral nº 59, no centro de Curitiba, provavelmente na residência de uma das filhas, o declarante foi José Dombrowski, marido da filha Luise, veja aqui.

Ambos foram sepultados no Cemitério Luterano de Curitiba, no bairro do Alto da Glória, em local não identificado.

O casamento de Johann e Albertine, os batismos dos filhos e mesmo cultos pelo óbitos, foram oficiados na Igreja Luterana de Curitiba.






terça-feira, 4 de novembro de 2014

JOÃO GERBER EM CURITIBA - parte 1



Johann Friedrich Gerber era o filho do meio de Sophie e Carl Gustav Gerber, nascido em Billerbeck  na Pomerânia (hoje Nadarzyn, Polônia) dia 14 de março de 1849.

Como já visto, imigrou com a família para o Brasil em 1858 e logo ficou orfão de pai e mãe. Saiu da Colônia Dona Francisca (Joinville) e chegou em Curitiba por volta de 1870. Foi o único Gerber que subiu para Curitiba. A primeira referência dele na cidade foi seu casamento com Albertine Bunde em 1875.

João Gerber e Albertine Bunde casaram na Igreja Luterana de Curitiba, no dia 24 de abril de 1875. Foram seus padrinhos  Julius Bunde e Ferdinand Irbart (pessoalmente penso tratar-se de Ferdinand Gerber, irmão de Johann).

    


Minha mãe contava que Johann tinha uma ferraria na rua 24 de maio. Não consegui nenhum dado a respeito do endereço (informação a confirmar).

Mas consegui confirmar a profissão de ferreiro !!

No Almanak Administrativo, Mercantil e Industrial da Província do Paraná para o Anno de 1877 de José Ferreira de Barros, encontra-se o nome do ferreiro João Gerber, veja aqui.


Do livro de Ernesto Niemeyer, Os allemães no Paraná, um esboço histórico :



No mesmo Almanak Administrativo, mas para o ano de 1880, ele também aparece, veja aqui.


O filho de João, Carl Gerber, seguiu por toda vida na profissão do pai, como ferreiro (veja aqui em seu casamento na qualificação do noivo).
"... Repassou os cavalos, prezando os mais bem ferrados e os de aguentada firmeza. - Ferraduras, ferraduras ! Isto é que é importante ... - vivia dizendo." (G. Rosa)
Como é a oficina de um ferreiro ?  Ficou curioso ?  Para saber clique aqui



Abaixo, foto da Coleção da Prof. Júlia Wanderley, sem data (provavelmente primeiros anos do séc. XX), da Igreja Bom Jesus dos Perdões, localizada na esquina da rua André de Barros com rua 24 de Maio (lateral), foto daqui.