terça-feira, 25 de fevereiro de 2014

OS FILHOS DE JACQUES ROBERT - CAROLINE E MARIE CATHERINE

Em 09 de agosto de 1865, Jacques e Marie Louise, tiveram mais um filho, na verdade duas meninas gêmeas,  Caroline e Marie Catherine.



Archives de la Loire, Saint-Etiènne, naissances, 1865, pp. 196/289.

Marie Catherine não chegou a vir ao Brasil, faleceu ainda na França ou a bordo do navio, em local e data ainda ignorados. 

A menina Caroline veio ao Brasil junto com os pais e os irmãos Leonard e Joseph, mas faleceu precocemente de causa ignorada em 19 de fevereiro de 1881, com apenas 15 anos de idade.
O assentamento de seu óbito foi feito na Catedral de Curitiba e o sepultamento no cemitério do bairro São Francisco, em local atualmente indeterminado.


"Aos dezenove de fevereiro de mil oitocentos e oitenta e um, nesta cidade de Curitiba, falleceu Carolina Roberto, de idade de desesseis anos, natural da França, solteira, filha legítima de Jacob Robert e de Maria Luiza, foi encomendada e sepultada no cemitério público desta cidade. Do que para constar fiz este assento. No impedimento do Rev. Vigário Agostinho Machado de Lima, o padre José Joaquim do Prado." Veja aqui.

Os livros de 1881 do 1º Cartório de Registro Civil de Curitiba estão desaparecidos, veja aqui.


Provavelmente a missa pelo falecimento de Caroline foi realizada enquanto a nova Catedral de Curitiba estava sendo construída, já que a anterior havia sido demolida em 1875. Na foto, a Catedral em construção no ano de 1886, informação e fotos daqui.





terça-feira, 18 de fevereiro de 2014

OS FILHOS DE JACQUES ROBERT - LEONARD

Leonard Robert foi o primogênito de Jacques e Marie Louise. Nasceu na França, em Saint-Etiènne, dia 21 de agosto de 1864.



Para visualizar, Archives de la Loire, Etat civil, Saint-Etiènne, naissance, 1864, pp. 212/313.

Em 1873, com 9 anos de idade, imigrou com a família para o Brasil, indo para a colônia Argelina em Curitiba.


Em 1890, com 26 anos de idade, casou com Amanda Schultz, filha de Jorge e Guilhermina Schultz.


Proclama do casamento de Leonard e Amanda, jornal A República, ed. 213, de 13 de setembro de 1890, veja aqui.

Casaram no cartório do Bacacheri, em Curitiba, no dia 18 de outubro de 1890, veja aqui.
.
Em 02 de junho 1900, no mesmo cartório, Leonard foi  testemunha no casamento de seu irmão Antônio e na ocasião declarou ser empregado na estrada de ferro, veja aqui.

Leonard Robert e Amanda Schultz tiveram 4 filhos:

1. Leonardo, foi para Cerro Azul-PR
2. Jorge Eugênio, nascido em  25 de dezembro de 1896. Casou em 22 de dezembro de 1917, com Rosalina Bordignon Mion, quando declarou ser mecânico por profissão, veja aqui (provavelmente trabalhava na estrada de ferro como o pai e o irmão mais velho). Filhos:
     1. Armando
     2. Carmem
     3. Leonidas Ernesto
     4. Lauro Montalvo
     5. Nelson
     6. Alzira Amanda
     7. Yolanda
     8. Judith Amanda
3. Luiz, nascido em 10 de dezembro de 1899, veja aqui. Casado com Julieta Fritolli.
     1.Luiz
     2.
     3.
4. "Nenê" casada com Leopoldo Schwarz

Em Curitiba, Leonard Robert participou da Loja Maçônica Fraternidade Paranaense n° 0.555, junto com o cunhado André Legat, veja aqui e aqui.

Faleceu em janeiro de 1907, vítima de apoplexia cerebral (AVC), com apenas 42 anos de idade, seis meses antes de seu pai Jacques Robert. O assentamento de seu óbito foi feito no 1° cartório de Curitiba, Centro,  livro 27 folha 140 verso.


"Agradecimento - Amanda Schultz Robert, seus filhos e mais parentes, agradecem penhoradíssimos a todas as pessoas que acompanharam os restos mortaes do seu inolvidável esposo e pae LEONARDO ROBERT, a seu último jazigo, bem como a todas aquellas que durante a sua enfermidade o auxiliaram a mitigar os seus padecimentos. 
No rude golpe por que acabamos de passar não podemos deixar de salientar as inestimáveis provas de caridade e confraternidade prestadas pelas respeitáveis Lojas Maçonicas da Capital, Diretoria da Estrada de Ferro e seo pessoal, Sociedade Giuseppe Garibaldi (alto S. Francisco) e Federação Operária do Paraná.
A todos o nosso eterno reconhecimento,
Curityba, 16 de janeiro de 1907"

Jornal A Notícia de 16 de janeiro de 1907, pg.3, ed. 363, aqui.

Parece ter sido uma situação bastante traumática para a família.



Jornal A República de 26 de janeiro de 1907, ed. 2, pg. 2,  aqui.

Amanda Robert ficou por um tempo cuidando de um pequeno negócio na rua Mal. Floriano 107, no centro da cidade de Curitiba.


Jornal A República, Curitiba, 01 de fevereiro de 1908, pg. 2, veja  aqui.


Rua Mal.Floriano no início do séc. XX, disponibilizado na grupo FB Antigamente em Curitibaaqui

A mulher de Leonard, Amanda Schultz faleceu em 1915, conforme declarado no casamento de seu filho Luis Robert com Julieta Fritolli, veja aqui.

Após o falecimento dos pais, os filhos menores foram cuidados pelas tias Júlia e Bêbe (Eugênia), conforme declarou a bisneta de Leonard, Cláudia Fonseca.

A irmã de Amanda, Rosalina Schultz, era casada com o maquinista Alberto Bunde, filho de Friedrich Bunde e Bertha Lasanki,  primo de Helena Gerber Robert. Curitiba dia 08 de maio de 1897, veja aqui.