terça-feira, 16 de junho de 2015

A NONA AGNESA SIGGIA

Foto daqui

Agnesa, minha bisavó, nasceu dia 05 de abril de 1884 na cidade de Siculiana, Sicília, Itália, veja aquiNo entanto, corria pela familia que seu nascimento era dia 13 de julho. Ela era a segunda filha de Calógera Cosentino e Giuseppe Siggia. 




Imigrou para o Brasil no final do ano de 1897 com os irmãos, os pais e uma prima, aos 13 anos de idade. Foi morar na fazenda de José Ramalho próxima ao município de Guariba-SP.

Bem novinha ainda, com cerca de 16 anos de idade, em 1900 mais ou menos, casou com um italiano um tanto mais velho, Ernesto Capozza que contava com cerca de 31 anos.

A primeira filha do casal, Amélia, nasceu em maio de 1901. Então, considerando-se a época, o casamento deve ter ocorrido antes de setembro de 1900.

Agnesa e Ernesto não casaram na igreja de São Sebastião de Ribeirãozinho (Taquaritinga), pesquisa feita no Livro 1 - Casamentos até junho de 1901.
A igreja de São Mateus de Guariba é de 1900, o Livro 1 de Casamentos começa em setembro de 1900. Também não encontrei o casamento religioso nessa cidade.
Tanto Guariba quanto Ribeirãozinho (Taquaritinga) pertenceram à comarca de Jaboticabal, se você quiser pesquisar o possível casamento religioso do casal nesta cidade, clique aqui.
O casamento no registro civil eu não procurei. 

Os dois tiveram 13 filhos que nasceram entre 1901 e 1925. Esse foi o casal com mais filhos entre os que pesquisei ... para saber sobre eles clique aqui.

No Brasil, Agnesa era conhecida como Inês, Inês Siggia Capozzi.

Agnese, Ernesto e os filhos viveram em Ribeirãozinho, atualmente Taquaritinga-SP, até 1915, depois mudaram para a cidade de São Paulo. 

Viveram até 1911 na Fazenda Grama, onde nasceram os primeiros filhos. Entre 1911 e 1915 não sei onde a família viveu, podem inclusive ter continuado na mesma fazenda (a pesquisar). Foram nove os filhos nascidos em Ribeirãozinho (Taquaritinga).

Antes de mudar para São Paulo, Ernesto Capozza deu uma passadinha na cidade. Saiu na seção "Hóspedes e Viajantes" do jornal Correio Paulistano de 27 de fevereiro de 1914 :



O Hotel d'Oeste tinha uma localização bastante central, no largo São Bento. Na primeira foto é de 1910, daqui, é o prédio mais baixo, à esquerda, com toldos. A segunda foto é de 2012.




Por volta de 1915 a família mudou para a cidade de São Paulo, onde nasceram outras quatro crianças.

Em São Paulo, num primeiro momento a família radicou-se no bairro da Móoca, tradicional bairro de italianos, passando em seguida para o bairro do Ipiranga, na rua Labatut.

Abaixo a rua Conselheiro João Alfredo nº 49, quase esquina com a rua da Móoca, Google StreetView, 2015


Fila do cannolo siciliano no intervalo de jogo no Clube Juventus do bairro da Móoca, 2014. O mehor cannolo de São Paulo !!


As fotos abaixo foram tiradas no Ipiranga. A primeira antes de 1947, provavelmente no início da década de 1940, na rua Costa Aguiar, do lado esquerdo o Museu do Ipiranga, as demais em 1954, na rua Labatut.





Mesmo lugar 60 anos depois, em dezembro 2014, Rua Labatut, entre as ruas Agostinho Gomes (acima) e Cipriano Barata, bairro do Ipiranga, por Google StreetView, aqui. Olha lá a vendinha do lado direito !!


Perto de 1950, Agnesa teve um AVC que paralisou um dos lados de sua face e a impedia de falar, alguns anos antes (1947) já tinha perdido seu marido, Ernesto Capozzi.

Agnesa faleceu dia 25 de setembro de 1957, na cidade de São Paulo. Para saber mais sobre ela, clique aqui.





5 comentários:

  1. Prima, teu trabalho é demais!!!
    Sempre lembro da música:
    " A História é um carro alegre, cheio de um povo contente, que atropela, indiferente, todo aquele que a negue."

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. obrigada, é uma tentativa inicial, incompleta e carinhosa, de fazer com que nossa história familiar não seja "uma carroça abandonada numa beira de estrada" ;)

      Excluir
  2. Querida Prima!
    Com um pouco mais de tempo estou lendo minuciosamente o seu trabalho de historiadora da nossa família e adorando toda a informação que você buscou.
    Imagino se meu Pai tivesse a oportunidade de ler e ver toda a sua dedicação,ele estaria muito comovido.
    Excelente e maravilhoso!!!!!!!!


    ResponderExcluir
  3. Querida Prima!
    Com um pouco mais de tempo, estou lendo minuciosamente as suas publicações, fico encantada com tudo que estou lendo e relembrando um pouco das estórias do meu Pai.
    Imagino como ele ficaria comovido.
    Maravilhoso!!!!!!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. obrigada, Silvinha, fico muito feliz que esteja gostando .... <3 <3

      Excluir